shutterstock_444686524_menor

Ciclismo: a performance do atleta no plano e na subida

Muitas pessoas têm dúvidas sobre a performance no plano e nas subidas. Alguns atletas conseguem andar melhor em percursos com subidas leves e predominância de planos, enquanto outros têm melhor rendimento em provas com subidas longas e inclinadas. No ciclismo profissional existem os especialistas em subidas (geralmente baixos e magros) que vencem as etapas de montanha e os especialistas em planos (altos e fortes) que têm sprints mais potentes. No mountain bike, o circuito também varia muito e geralmente atletas mais leves e baixos têm um rendimento melhor em provas com subidas muito inclinadas.

Primeiramente ter alta performance no ciclismo é possuir uma alta potência no VO2max e no limiar anaeróbio (FTP). Para entender o motivo dessas diferenças entre os atletas, veja o exemplo de dois ciclistas com massa corporal e potências diferentes:

Ciclista 1 (69kg): pVO2max (385w) e pLan ou FTP (320w).

Ciclista 2 (65kg): pVO2max (360w) e pLan ou FTP (300w)

Em provas com predominância de planos, o ciclista 1 terá melhor rendimento se comparado ao ciclista 2, pois os valores de potência são mais altos tanto no VO2max, quanto no FTP.

Já nas subidas deve-se dividir estes valores pela massa corporal do ciclista, desta forma:

Ciclista 1 (69kg): pVO2max (385w/69kg = 5,5w/kg) e pLan ou FTP (320w/69kg = 4,6w/kg).

Ciclista 2 (65kg): pVO2max (360w/65kg = 5,5w/kg) e pLan ou FTP (300w/65kg = 4,6w/kg)

Observando os dados, podemos dizer que no plano o ciclista 1 pedala mais rápido, mas nas subidas os valores são bem próximos e os atletas acabam disputando o tempo todo.

Vale lembrar, durante os treinamentos deve-se enfatizar o aumento da pLan ou FTP para melhorar o rendimento nas subidas mais longas (10 a 40min). Nas subidas curtas entre 3 e 10min é ideal desenvolver a potência do VO2max. Os treinamentos intervalados serão efetivos para evoluir o rendimento tanto no plano como na subida.